Conheça as iniciativas do setor bancário para amenizar os efeitos do coronavírus

Conheça as iniciativas do setor bancário para amenizar os efeitos do coronavírus

Instituições anunciam compromisso em atender pedidos de prorrogação de dívidas de pessoas físicas e micro e pequenas empresas e enfatizam: clientes podem fazer operações por meios digitais para evitar aglomeração em agências

Para amenizar os efeitos negativos do coronavírus no emprego e na renda, no atendimento aos clientes bancários e na rotina dos funcionários do setor, a FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos e seus bancos associados anunciaram, na terceira semana de março, orientações e medidas para colaborar nos esforços em todo o país para conter a disseminação da  pandemia identificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

As agências bancárias permanecem abertas, com atendimento aos clientes. Terão prioridade os públicos mais vulneráveis, como o de aposentados e pensionistas. Algumas agências bancárias já abrem mais cedo para atendimento aos aposentados, o que será reforçado, neste momento.

Cumprindo orientação do Banco Central para enfrentar as dificuldades trazidas pela pandemia de coronavírus em todo o país, os bancos deverão, de forma pontual, e por períodos limitados de tempo, alterar horários de atendimento ou suspender serviços em agências selecionadas. Os clientes serão informados adequadamente pelos canais de comunicação de cada banco. O setor bancário se compromete a assegurar a prestação de serviços essenciais para a população.

Atendendo às recomendações das autoridades sanitárias, a FEBRABAN e seus bancos recomendam que seus clientes evitem deslocar-se para as agências bancárias e deem preferência a usar produtos e serviços dos bancos por meio dos canais remotos disponíveis para a população.

Por meio do celular e internet, os usuários podem fazer, com segurança, pagamento de contas, consulta de saldos e extratos, transferências financeiras, agendamento de pagamentos e contratação de serviços e empréstimos, entre outros.

Atualmente, de cada dez transações, seis são feitas pelos meios digitais. “Nossos canais digitais dispensam a necessidade de comparecimento às agências”, afirma Isaac Sidney, vice-presidente da FEBRABAN. “Os bancos fizeram grandes investimentos em tecnologia para isso, e dispõem de call centers para ajudar os clientes com maior dificuldade no uso dos meios digitais”, complementa.

O executivo ressalta que a FEBRABAN criou uma cartilha com diversas informações sobre os canais digitais oferecidos pelos bancos. O material está disponível no link http://bit.ly/2xD2T4g.

Os canais de atendimento por telefone também estão funcionando normalmente. Além disso, a rede de autoatendimento (ATMs), com seus 170 mil terminais espalhados em todo o país, está à disposição da população para saques e depósitos. Para proteger os clientes, foi intensificada a higienização desses terminais, seguindo a orientação de aperfeiçoar e intensificar os protocolos de higienização das instalações bancárias.

Prorrogação de dívidas

Na segunda-feira (16), os cinco maiores bancos associados – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú Unibanco e Santander – anunciaram que estão comprometidos em atender pedidos de prorrogação, por 60 dias, dos vencimentos de dívidas de clientes pessoas físicas e micro e pequenas empresas para os contratos vigentes em dia e limitados aos valores que já foram usados pelo consumidor.

Os clientes devem entrar em contato com seu banco, expor seu caso para saber das condições para prorrogar a dívida por até 60 dias. Cada instituição irá definir o prazo e as condições dos novos pagamentos. Não é necessário ir presencialmente na agência bancária. O cliente poderá ligar para seu gerente e ainda usar os canais eletrônicos para entrar em contato com seu banco, como o atendimento telefônico e os meios digitais.

“Os bancos estão preparados para facilitar os pagamentos dos clientes e continuarão contribuindo para amenizar os efeitos negativos do coronavírus na economia”, afirma Isaac Sidney.

A medida vale para contratos de crédito feitos pelo cliente com o banco. Para saber quais contratos estão sujeitos a prorrogação, o cliente deve entrar em contato com o seu bancoÉ importante ressaltar que também não inclui boletos de consumo geral, como água, luz e telefone, além de tributos, porque se referem a serviços prestados por concessionárias de serviços públicos e governos; cheque especial e cartão de crédito também não são prorrogáveis.

Reunião com sindicatos

Na última terça-feira, representantes da FENABAN – Federação Nacional dos Bancos se reuniram de maneira remota com as 236 entidades sindicais que representam os cerca de 450 mil bancários de todo o Brasil. Como resultado, foi criada a Comissão Bipartite Covid-19, um canal direto e permanente de troca de informações entre bancos e as entidades que representam os bancários sobre as ações adotadas.

Na reunião foram confirmadas medidas dos bancos para proteção de clientes e funcionários. As entidades informaram que milhares de bancários já estão trabalhando em esquema de home office, que os bancos dividiram as equipes que ainda estão atuando presencialmente e definiram locais de trabalho diferenciado para cada grupo de forma a reduzir o número de profissionais concentrados ao mesmo tempo nos locais de trabalho.

Além disso, foram criados novos protocolos de limpeza das agências e as equipes encarregadas da tarefa foram orientadas a intensificar a higienização, especialmente dos locais com maior contato das pessoas, como maçanetas, balcões, botões de elevadores e superfície dos caixas eletrônicos.

Fonte: FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos

Sem comentários

Seja o primeiro a comentar.

Deixe seu comentário

Digite seu nome. Digite um e-mail válido. Digite sua mensagem.